Capítulo décimo oitavo

I know that you're movin' on I know I should give you up But I keep hopin' that you'll trip and fall back in love Ela não podia permitir que aquilo acontecesse. Nathaniel já se sacrificara por ela o suficiente, não deixaria que fosse preso por um crime que não cometeu - ela não fora sequestrada, não estava ali contra a sua vontade. O delegado não estava preocupado em resgatá-la, ou teria entrado na casa com uma ordem para conduzi-la até sua casa. Aquilo era vingança, provavelmente obra de seu pai para causar mal ao homem que o desafiou dentro…

Continuar lendo Capítulo décimo oitavo

Capítulo décimo sétimo

I don't want to let you down I don't want to lead you on I don't want to hold you back From where you might belong You would never ask me why My heart is so disguised I just can't live a lie anymore I would rather hurt myself Than to ever make you cry There's nothing left to say but good-bye Leonard o encontrou em seu lugar favorito - Nathaniel chamava de sala de tortura. Era para onde ele levava os devedores que precisavam de um incentivo para pagar suas dívidas. O lugar era sombrio, escuro e parecia um…

Continuar lendo Capítulo décimo sétimo

Capítulo décimo sexto

I cried and I cried There were nights that died for you baby I tried and I tried to deny that your love drove me crazy, baby If the love that I got for you is gone If the river I cried ain't that long Then I'm wrong, yeah I'm wrong, this ain't a love song O Gênesis era seu império, mesmo que não lhe pertencesse. Ele sempre se sentiu como um rei naquele castelo que ocupara com autorização do dono. E, com os braços cruzados olhando para o salão, soube que encontrara sua rainha. Lucille girava com a amiga,…

Continuar lendo Capítulo décimo sexto

Capítulo décimo quinto

Passava de seis horas da noite quando Nathaniel despertou. Era noite, o quarto estava na escuridão quase total – apenas o fogo alaranjado da lareira o iluminava. Ao seu lado, estava Lucille, também adormecida. Ela tinha um sono agitado, tremia e balbuciava palavras que não faziam sentido, mas permanecia dormindo. Eles acabaram adormecendo durante a tarde e perderam a hora. Sentou-se na cama e a olhou por vários minutos. Ele não sabia o que estava fazendo, mas sabia que era errado. Não podia manter Lucille presa a ele porque não havia futuro para os dois. Ao mesmo tempo, ele estava…

Continuar lendo Capítulo décimo quinto

Capítulo décimo quarto

— Nathaniel! — Ela gritou ao vê-lo cair. Entrou em desespero, pensando que fora atingido pelo pai, mas depois lembrou que ele já estava ferido. A fuga foi tão rápida e frenética que ela sequer teve tempo de perguntar sobre sua saúde. Uma mancha vermelha tingia a manga da camisa e ela notou que o colete estava ensopado de sangue. Por sorte, Leonard apareceu em seguida. Com Millicent. Lucille não entendeu o que a amiga fazia ali, mas descobriria depois. Não conseguia pensar em mais nada que não fosse o homem que a salvara não apenas uma, mas várias vezes…

Continuar lendo Capítulo décimo quarto

Capítulo décimo terceiro

A culpa que esmagava o peito de Leonard Eckley era responsável por aquele agir tão cauteloso. Nathaniel estava bem, mas não conseguia sair de perto do amigo. Deveria ter sido mais inteligente, mas nunca fora muito esperto em lidar com o chefe. Era Nate quem o enfrentava, quem discutia as decisões. Leonard não, ele apenas acatava e obedecia, como um soldado. E sua tolice fez com que o amigo quase perdesse a vida. Porque Leonard tinha certeza que fora o chefe quem contara sobre o paradeiro de Lucille Smith para os homens que a resgataram. Por que ele fez aquilo?…

Continuar lendo Capítulo décimo terceiro